Hannah Arendt

 

           Filósofa judia, aluna do filósofo alemão Martin Heidegger, se exilou nos Estados Unidos na época da segunda guerra fugindo da Alemanha. Nesse período Hanna escreve As origens do totalitarismo, onde analisa as características do regime nacional-socialista e stalinista.

            O século XX viu surgir em sua História, a despeito de toda luta pela democracia e pela liberdade e direitos individuais, várias formas de regimes totalitários que de diferentes maneiras procuraram submeter os indivíduos e a própria sociedade ao poder do Estado: são os Estados Totalitários, como o fascismo (na Itália, com Benito Mussolini), o nazismo (ou o nacional-socialismo na Alemanha, com Adolf Hitler) e o stalinismo (na Rússia, com Josef Stálin).

            Mussolini chegou ao poder em 1922, quando foi nomeado primeiro-ministro e defendia a prioridade do Estado diante do indivíduo. “A palavra ‘fascismo’ vem do italiano ‘fascio’ e quer dizer um feixe amarrado por cordas. Esta imagem resume bem a ideologia do fascismo. Nesta visão, o Estado funciona como a amarra que mantém a unidade do feixe” (SELL, 2006, p. 127). Sobre o Fascismo, Noberto Bobbio escreveu uma obra intitulada Dal fascismo alla democrazia (Do fascismo à democracia), traduzida para o português, que aprofunda o debate em torno do regime fascista: sua origem, os acontecimentos que conduziram à gênese e à afirmação do fascismo, sua ideologia, a difusão da resistência contra o regime, sua queda e a instauração da democracia constitucional, além de alguns personagens ligados ao regime. “O modo pelo qual Bobbio reconstrói a natureza do regime e da ideologia fascista, isto é, do programa italiano da antidemocracia, oferece um parâmetro para a análise comparativa de muitos fenômenos análogos” (Michelangelo Bovero, prefácio à edição brasileira apud BOBBIO, 2007)

            Em 1932 Hitler chegou ao poder como líder do “Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães” e, como no fascismo, acreditava que o Estado precede o indivíduo e tinha também um componente racial, defendendo a ideia da superioridade da raça ariana diante de outras raças. Antes do fascismo e do nazismo, a Rússia viveu no começo do século também um período marcado por revoluções, culminando em 1917 com a Revolução Russa que deu origem a União Soviética, mas foi só em 1924 que Stalin chegou ao poder e nele permaneceu até 1953, liderando um processo acelerado de industrialização, expropriação das propriedades camponesas utilizando-se do poder estatal.  

            Foi sobre estes dois últimos que Arendt concentrou boa parte de suas reflexões e, segundo a filósofa, o totalitarismo é um fenômeno político que busca a dominação total, a expansão mundial, tendo como instrumentos de ação a ideologia e o terror, ou seja, o uso de uma determinada forma de conhecimento e o uso da violência sem limite para a realização de seus fins políticos. Um componente essencial do totalitarismo é uso que faz da ideologia. “O totalitarismo utiliza, de acordo com Hannah Arendt, da ‘ideologia’ como instrumento essencial para explicar absolutamente e de maneira total o curso da história” (VICENTE, 2012, p. 150).

           Dentro da ideologia que subjaz os governos totalitários estão o anti-semitismo, o racismo (justificativa biológica da dominação de povos), o imperialismo e um nacionalismo exacerbado.

            A pretensão de totalidade de um governo global é decorrência do expansionismo imperialista, cuja estrutura pretende submeter outros povos a leis com as quais não anuíram. “A expansão ilimitada do imperialismo consiste em uma expansão por ela mesma, no uso da força pela força, da violência pela violência” (FRANCISCA, 2012, p. 3) e expansão dos instrumentos de dominação e violência de um Estado-nação sobre outro Estado-nação. Imperialismo entendido como uma política de expansão territorial de um país e a consequente colonização de outro, uma expansão onde nações inteiras são colonizadas e dominadas economicamente em busca de conquistas, riquezas e poder, dominação que é realizada através da força e da violência, onde terras imensas caem sob o domínio completo de uma nação sobre outra e os nativos são classificados como cidadãos inferiores (base do eurocentrismo e etnocentrismo da superioridade de uma ração sobre a outra). Analisando o fenômeno do Imperialismo, Hobsbawn (1988) ressalta como uma de suas características uma expansão de potências capitalistas sobre outras regiões periféricas do mundo, como estratégia para alcançar uma hegemonia mundial por meio da dominação econômica, política e cultural, além do claro propósito de garantir a captação do acúmulo de riquezas.

            O nacionalismo exacerbado também contribuiu para a expansão dos regimes totalitários, à medida em que estimula um patriotismo que se crê superior aos demais povos e nações, começando pela língua e encontrando sua máxima expressão no culto da pureza que atribui, à raça ariana, a qualidade de ser superior às outras raças.

 

            Em As esferas pública e privada Arendt pretende realizar uma genealogia da ação política sublinhando a oposição entre a esfera daquilo que é comum (koinon) aos cidadãos - a esfera pública da política - e a aquilo que lhes é próprio (idion) ou do domínio da casa (oikos) - a esfera privada. As origens da ação remontam à polis grega, espaço de ação política, através da pluralidade de opiniões.

            Em A Condição Humana, Hannah Arendt tematiza os três conceitos fundamentais que constituem a gênese da sua antropologia filosófica: trabalho, produção e ação. Quanto ao trabalho, ele é necessário à sobrevivência biológica e efetiva-se na atividade do animal laborans, o qual a partir de um estádio primitivo de existência vivia isolado dos outros seres humanos regendo-se apenas pelos ditames fisiológicos da vida animal. Em relação à produção, ela é o estádio do homo faber que produz objetos duráveis (técnicas) partilhando o seu saber de fabrico com outros homens. Já a ação é a característica matricial da vida humana em sociedade. Os homens agem e interagem uns com os outros no seio de uma vida política em sociedade. Só a ação é a única característica da essência humana que depende exclusivamente da contínua presença de outros homens. Arendt enquadra o trabalho (labor) e a produção (work) no domínio da esfera privada, enquanto a ação está exclusivamente no plano da esfera pública (política). O privado é o reino da necessidade. O público é o reino da liberdade. A ação (política) nunca é equivalente a um trabalho necessário à sobrevivência biológica ou à produção técnica. A ação é uma atividade comunicacional mediada pela linguagem da pluralidade de opiniões no confronto político e efetivada através da retórica.

            Também nessa obra Arendt procura demonstrar a inversão no mundo contemporâneo entre a esfera pública e privada. Diferente do mundo grego, onde a esfera pública tinha claramente uma importância maior, no mundo atual predomina a esfera privada e por isso, no pensamento de Arendt, não há espaço para a “ação”, pois esta acontece predominantemente no espaço da política (SELL, 2006).

Disponível em: Estadão (Acesso em 12/09/2016)

 

Referências Bibliográficas

BOBBIO, N. Do Fascismo à Democracia: os regimes, as ideologias, os personagens e as culturas políticas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

FRANCISCA, Maria. Imperialismo e totalitarismo em Hannah Arendt: ruptura, racismo, ideologia e terror na destruição da condição humana. Trabalho apresentado no VI Encontro Hannah Arendt – Pluralidade, Mundo e Política, na Universidade Federal de Pelotas/RS, em maio de 2012. Acesso em 13/09/2016

HOBSBAWM, Eric. J. A Era dos Impérios, 1875-1914. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

SELL, Carlos Eduardo. Introdução à Sociologia Política: política e sociedade na modernidade tardia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

VINCENTE, José J. N. Barbosa. Hannah Arendt: antissemitismo, imperialismo e totalitarismo. Ensaios Filosóficos, vol. VI, p. 144-155, out. 2012. Acesso em 14/09/2016.

 

Bibliografia sobre Hannah Arendt