Formação de Grêmio Estudantil na rede Estadual de Ensino

Formação de Grêmio Estudantil na rede Estadual de Ensino

PROJETO DE EXTENSÃO REALIZADO EM 2013

 

 

RESUMO DO PROJETO

 

Ao longo dos anos a população jovem vem assumindo um papel cada vez mais importante dentro do processo de redemocratização pelo qual o Brasil vem passando. Principalmente através de movimentos organizados, como é o caso dos movimentos estudantis (UNE, UBES, entre outros), a juventude desempenhou e vem desempenhado um importante papel no enfrentamento das questões sociais, políticas e de mobilização dos jovens para a construção de uma sociedade mais democrática. No Município de Parintins podemos destacar como referência o jovem Tomaszinho Meirelles (que dá nome a uma das Escolas Estaduais) considerado um desaparecido político da época da ditadura militar. Contudo, temos observado que o movimento estudantil tem pouca representatividade no município, sobretudo os estudantes de nível médio e fundamental. De onde surgiu a iniciativa deste Projeto de Extensão, com o objetivo de motivar os jovens estudantes na formação de Grêmios Estudantis, que possa atuar como órgão de representatividade de interesse dos estudantes, conforme determina a Lei Federal 7.398. Através deste Projeto pretendemos estimular nos alunos da rede estadual de ensino o interesse para se organizarem em torno desta entidade representativa e autônoma e que possa servir como experiência para que os jovens se sintam protagonistas da realidade educacional/social na qual estão inseridos, exercitando suas experiências participativas, de atuação coletiva e social.

Através deste Projeto de Extensão aprovado pela Universidade Federal do Amazonas e desenvolvido com a parceria de alunos do curso de Serviço Social desta universidade tencionamos implantar nas escolas Dom Gino Malvestil, no Colégio Nossa Senhora do Carmo, e na Escola Estadual Tomászinho Meirelles, Grêmios Estudantis que proporcionem aos jovens das referidas escolas um direcionamento de seus direitos como estudantes além de proporcionar aos estudantes momentos de lazer com a promoção de campeonatos, festivais de músicas, cursos, jornais, excursões, debates, festas e etc. O grêmio é composto apenas por estudantes, que são escolhidos pelos próprios alunos das referidas instituições e geralmente é composto por uma diretoria eleita pelos estudantes que deverá trabalhar com diversos departamentos.

Os estudantes que são eleitos ocupam departamentos que contará com uma equipe de estudantes encarregada de buscar novas maneiras de envolver o maior número de alunos possível no planejamento, execução e avaliação de atividades significativas para eles. O grêmio é uma entidade autônoma, mais se surgir algum problema os alunos podem pedir ajuda dos professores. Como por exemplo, no departamento de esportes que poderá contar com a ajuda dos professores de Educação Física e no departamento de imprensa onde os alunos poderão contar com os professores de português na revisão de textos produzidos pelos estudantes antes de serem colocados em exposição no jornal da escola. O Grêmio é uma entidade autônoma e gerida apenas por estudantes e jamais poderá ser desrespeitada pelos professores ou pela direção da escola.

Com base nas PPJ (Políticas Publicas da Juventude) temos como exemplo, direito a cidadania jovem, o projeto “Grêmio Estudantil” que trabalha uma entidade autônoma representativa dos interesses dos estudantes secundaristas, com finalidade educacional, cultural, cívica, desportista e social, que esta sendo aplicado nas instituições educacionais já citadas, com a finalidade de mostrar e propor aos estudantes os seus direitos. Pois é um projeto articulado com estatuto da juventude que vem ser o reconhecimento dos jovens por parte do Estado como estratégia para o desenvolvimento do Brasil. Significa tornar as políticas para o setor uma obrigação do Estado, independente da vontade de governos. Significa combater a construção social e histórica de estigmas que recaem sobre a juventude, visibilizando-a como sujeito de direitos. O grêmio devera funcionar sem supervisão de professores ou diretores. Mas podem surgir momentos em que os estudantes, não conseguindo resolver determinados problemas sozinhos, necessitem de ajuda de algum deles. Mas vale ressaltar que os estudantes e professores deverão tomar certos cuidados ao trabalharem juntos. A autonomia do grêmio, entidade gerida apenas por estudantes, jamais poderá ser desrespeitada pelos professores ou pela direção da escola. A principio o Grêmio quando estiver em execução nas instituições ele vem atender as reclamações dos alunos e lutar pela melhoria da estrutura e da qualidade de ensino da escola, com o principal objetivo defender os interesses individuais e coletivos dos alunos; lutar pela democracia permanente dentro e fora da escola, através do direito de participação nos fóruns deliberativos adequados. O Grêmio Estudantil vem reforçando com o intuito de formar essa juventude autônoma e conhecedora de leis, para que se possam tornar adultos conscientes.

 

 

OBJETIVOS

  • Levar aos alunos da rede estadual de ensino o conhecimento da Lei 7.398 que assegura aos estudantes a possibilidade de se organizarem como entidade autônoma e representativa dos interesses dos estudantes.
  • Contribuir para a formação de um Grêmio Estudantil na rede estadual de ensino.
  • Orientar a organização e funcionamento das atividades que devem ser desenvolvidas através do Grêmio Estudantil, desde o estabelecimento de um Estatuto até a formação de Assembleias estudantis, escolha dos dirigentes e dos representantes do Grêmio e eleições para este fim;

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

BAQUERO, Marcelo; CREMONESE, Dejalma (orgs). Capital Social. Teoria e Prática. Ijuí: Uniijuí, 2006.

BOTELHO, Marjorie de Almeida. A ação coletiva dos estudantes secundaristas: passe livre na cidade do Rio de Janeiro [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal Fluminense, 2006.

BRASIL. Lei nº 7.938, de 04 de novembro de 1985. Dispõe sobre a organização de entidades representativas dos estudantes. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7398.htm>. Acesso em 11/02/2013.

____. Secretaria Nacional de Juventude. Política Nacional de Juventude. Disponível em <http://www.secretariageral.gov.br/Juventude/pol>. Acesso em: 04 jan. 2012.

____. PLC – PROJETO DE LEI DA CÂMARA, Nº 98 DE 2011. Dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude, o estabelecimento do Sistema Nacional de Juventude e dá outras providências. Disponível em: <http://www.senado.gov.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=102925>. Acessado em 15/01/2012.

CARLOS, Aparecida da graça. Grêmio estudantil e participação do estudante. [dissertação]. São Paulo (SP): Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; 2006.

CASTRO, Lúcia Rabello de. Participação política e juventude: do mal-estar à responsabilização frente ao destino comum. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 16, n. 30, p. 253-268, jun/2008.

COSTA, A. C. G. da. O protagonismo juvenil passo a passo. Um guia para o educador. Belo Horizonte: Universidade, 2001.

Paulo Freire. Pedagogia do Oprimido. 31. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GONÇALVES, T.; ROMAGNOLI, L. A volta da UNE: de Ibiúna à Salvador. São Paulo: Alfa-Ômega, 1976.

GONZÁLEZ, Jorge Luis Cammarano; MOURA, Marcilene Rosa Leandro. Protagonismo juvenil e grêmio estudantil: a produção do indivíduo resilente. Eccos Revista Científica, São Paulo, v. II, n. 2, jul/dez 2009, p. 375-392.

POERNER, A. J. O poder jovem. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

SOUSA, Janice Tirelli Ponte de. As insurgências juvenis e as novas narrativas políticas contra o instituído. Cadernos de Pesquisa, Nº 32, Fevereiro 2003. UFSC. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2009.

 

ProjetosPesquisa e Extensão → Formação de Grêmio Estudantil na rede Estadual de Ensino