Fronteiras de Saberes

Fronteiras de Saberes

Prefácio

 

            A construção de diálogos interdisciplinares e transfronteiriços entre pesquisadores em realidades complexas se constitui, sem dúvida, num desafio que se impõe às ciências humanas e sociais, em especial à antropologia, à geografia, à ciência política (sub-área políticas públicas), à comunicação, à história, à educação, às ciências da vida, da terra e ambientais, entre tantas. Esses diálogos se fazem necessários e estão a desafiar pesquisadores e instituições localizadas na Tríplice Fronteira Brasil, Peru e Colômbia.

          Ali, se movimentam e se deslocam cotidianamente uma diversidade de grupos humanos multiétnicos, de nacionalidades diferentes, de origens diversas, que convivem, interagem, negociam, articulam, se manifestam e (re)afirmam suas identidades coletivas e (re)criam relações sociais. Mobilizam-se na defesa de seus territórios, lutam por seus direitos étnicos e suas riquezas naturais. E, mais ainda, revelam consciência de suas fronteiras e dos meios de descrevê-las e ocupá-las que se explicitam e manifestam em suas reivindicações em face aos seus Estados nacionais.

            Essas pluralidades de várias formas de vida na Tríplice Fronteira, muitas delas, destaque-se, reconhecidamente milenares, formam uma sociedade transcultural que promove e assegura vários lugares do empírico, portanto, do fazer pesquisa, como mostram os vários escritos desta coletânea. Ela é a materialidade e uma publicização desse diálogo que se (re)encontra e faz interagir diferentes campos disciplinares. Além disso, a coletânea demonstra a concretude de trocas e intercâmbios científicos entre pesquisadores que se identificam e têm objetivos comuns: olhares voltados aos agentes sociais que estão à margem da cena política e dos direitos de cidadania. Mas no espaço e no tempo partilham experiências comuns em defesa ou apropriação do território, dos seus direitos étnicos e na conservação de recursos naturais.

            Os vários itinerários de pesquisa abrangem temas sobre sofrimento mental, cultura e identidade construídas localmente com nuances e especificidades, ecologia política e modernidade, biotécnicas transgênicas de frutas amazônicas, dinâmicas territoriais de cidades ribeirinhas, história e memória citadinas, mediações urbanas, discursos globais e suas trampas (armadilhas), conhecimentos tradicionais realizadas por grupos humanos e adaptações ao ambiente, artes e cultura, mitologias e projetos pedagógicos apoiados em paradigmas ecopolíticos, saberes tradicionais e cuidados com a saúde no uso de plantas medicinais, além de formas de trabalho pretéritas que remontam aos séculos XVII e XVIII, tradições e expressões orais, incluindo idioma, expressões artísticas, práticas sociais, ritos e atos festivos, bem como conhecimentos e práticas relacionadas à natureza e ao universo, além de técnicas artesanais tradicionais, mitologias e o pensamento social na Amazônia.

            Por fim, a fronteira de saberes apoiada em compreensões metodológicas e empíricas revela as diferenças e desigualdades sociais e, ainda, novas perspectivas de leituras que nos possibilitam compreender, contrapor, desvendar, e, por que não, transformar o emblema mundial que se construiu sobre a Amazônia – uma espécie de ecologia do mundo, um signo da era ambiental ou do chamado capitalismo verde, que desconsidera continuamente multiplicidades e heterogeneidades de formas e manifestações da vida social. A chamada está feita e nos desafia à leitura dos vários campos científicos e experiências profissionais distintas dos pesquisadores das instituições universitárias que subscrevem esta coletânea. Voila!

 

Profa. Dra. Elenise Faria Scherer

Professora-orientadora e pesquisadora

do Programa de Pós-Graduação

Sociedade e Cultura na Amazônia (Ufam)

 

SUMÁRIO

 

Casos de “roubo de sombra” em fronteiras interétnicas: sofrimento mental no Baixo Amazonas

Renan Albuquerque, Ricardo Alexino Ferreira

Júlio Cesar Schweickardt, Maria Audirene Cordeiro

 

Cultura e identidade na tríplice fronteira Brasil, Colômbia e Peru

Michel Justamand

 

Por uma ecologia política do mundo da vida e da formação da modernidade na Amazônia

Camilo Torres Sanchez

 

Dinámicas territoriales de las ciudades amazónicas: elementos teóricos para su comprensión

Nohora Carvajal Sánchez

 

História e memória da origem do bairro Paulo Corrêa, Parintins/AM

Gilciandro Prestes de Andrade, Júlio Cláudio da Silva,

Renan Albuquerque

 

Nicodemos Sena: um intérprete da Amazônia

Iza Reis Gomes Ortiz, Gabriel Arcanjo Santos de Albuquerque

 

O mundo da tecnociência em desencanto: ensaio hermenêutico sobre mitologia amazônica

Denison Silvan

 

Cidades na Amazônia e sistemas locais territoriais: novas mediações urbanas e ordenamento territorial

Estevan Bartoli, Eliseu Savério Sposito

 

Projeto ecopolítico pedagógico e os temas transversais de desenvolvimento sustentável na educação amazônica

Josenildo Santos de Souza, Camilo Torres Sanchez

Germán Palacio Castañeda

 

Las trampas del discurso global en la Amazonia colombiana

Enric Cassú-Camps

 

Políticas de saúde e conhecimentos tradicionais na Amazônia: o uso de plantas medicinais

Alexsandro Melo Medeiros

 

A transmutação das formas de trabalho na Amazônia Brasileira (1616 a 1750) e a acumulação do capital na Europa

Geraldo Magela Daniel Júnior, Maria Ariádina Cidade Almeida

 

Educação escolar Yanomami

Hellen Cristina Picanço Simas, Regina Celi Mendes Pereira

 

Correlações entre artes plásticas e cultura amazônica nos anos 1960

Mariene Mendonça de Freitas, Renan Albuquerque

 

 

Ciência Política → Livros (Coletâneas) → Fronteiras de Saberes